Atlântica comovida – (Roberto Menescal e Paulo César Feital)

Olha como é bonita a vida

Livre, pulsando nesse meu rincão

Olha, a esperança vive,

Virgem, na mata, entre o mel e o chão

Dizem que a terra se engravida de Deus

Gera, na primavera, os animais

Entre sacis e curupiras,

As saíras, os micos e os pardais

Ah, Olha que a mata está ferida

Sangra a hemorragia d’ambição

Choram os sabiás e os tucanos

Gelo futuro dos planos,

Da vida e da floração

Calma, Atlântica comovida

Jesus já está de partida

E encarna num mico-leão

COMPARTILHE:
Todos os direitos reservados