Alquimista – (Roberto Menescal, Costa Neto e Paulo Coelho)

Me transformei, enfim me tornei

Pastor de mim, meu Agnus Dei

Pra isso eu me pisei, flagelei

As tábuas da lei quebrei, eu quebrei

Eu mendiguei por dentro de mim

Na geografia gêmea de Deus

Na treva interminável dos seus banquetes

E botequins que são meus

Hoje eu sei das lendas da minh’alma

Hoje eu sei me transformar com calma

Pois eu trabei combate com Deus

Caí no front do Reino dos Céus

Me aprisionei nas celas do amor

E me transformei assim no que sou


COMPARTILHE:
Todos os direitos reservados