Letras

 
+3x4 (Ando louca) - (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
Ando louca, chorando aos borbotões
Ando louca, bebendo com os ladrões
Pois quem sabe eles roubem de mim essa amargura
Ou me tragam alguém que no fim pareça com você
Ando louca, pergunte aos violões
Ando pelas rimas dos nossos corações
Ou será que só tenho direito às aventuras
Uma cama, um motel e um pedaço de ninguém
Teu perfume derrubo no travesseiro
Entre as coxas, tua foto a me alucinar
E ao teu três por quatro me dou de corpo inteiro
De tão louca, ainda peço a você pra engravidar
E depois eu só quero morrer…
Ando louca, e agora você vem
Feito um louco roubar-me o que convem
Bate à porta, me vê quase morta
É desacato, vem pedir o que resta de mim:
O três por quatro
Fico louca…
Ando louca…
+Abraço Vazio - (Roberto Menescal e Costa Netto)

Revirando o apartamento, Não me resguardei a tempo
Quando dei por mim, Uma canção
Foi buscar você tão longe
Remexendo o sentimento, Distraído, num momento
No quarto vazio, à meia-luz, Sem querer…
Acho que abracei você!
Qual foi mesmo o tom, Do seu “tanto faz”?
Qual foi mesmo a cor, Do batom?
Traços de um perfil, Que eu nem lembro mais…
Sei que os lábios dizem não
Revirando a cidade, Por descuido ou por maldade
Se o destino inventa, De cruzar nosso olhar
Mesmo se eu passar sem ver, Acredite
Não me esqueço de você!
+Adriana - (Roberto Menescal e Lula Freire)
Deixa todo mundo
Desperta do teu sono
E vem, vem ouvir
Tanto de ternura
Mas tanto de tristeza
Vai ver, vai sentir
Todo esse mundo não vale
Todo amor que vem com você
Mas não tenha medo da vida
Que eu estarei com você
Adriana, Adriana
+Agarradinhos - (Roberto Menescal e Rosalia de Souza)
Vou te confessar
Não posso mais
Manter meu coração assim calado
Meu amor demais é total
E pra esconder não posso mais
Viver em paz comigo
Sei que pra você não
sou ninguém
E isso já me traz dor tão profunda
Pois o sonho meu maior é ter
Dia inteirinho
agarradinho a você
Quando o teu corpo for
juntinho ao meu
Vou ser suave como pluma em verão
E pegarei a tua mão como já fiz nos sonhos meus
E amar-te como nunca
Ah! Nunca me aconteceu
Sei que pra você não
sou ninguém
E isso já me traz dor tão profunda
Pois o sonho meu maior é ter
Dia inteirinho agarradinho a você
+Ah!, se eu pudesse - (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Ah!, Se eu pudesse te buscar sorrindo
E lindo fosse o dia, como um dia foi
E indo nesse lindo, feito para nós dois
Pisando nisso tudo que se fez canção
Ah!, se eu pudesse te mostrar as flores
Que cantam suas cores P’RA  manhã que nasce
Que cheiram no caminho COMO quem falasse
As coisas mais bonitas P’RA  manhã de sol
Ah!, Se eu pudesse, no fim do caminho
Achar nosso barquinho e levá-lo ao mar
Ah, Se eu pudesse tanta poesia
Ah! Se eu pudesse, sempre, aquele dia
Ah! Se eu pudesse te encontrar serena
Eu juro, pegaria sua mão pequena
E juntos vendo o mar
Dizendo aquilo tudo, quase sem falar
+Além da imaginação - (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Seu rosto calmo encontrou
A paz que é feita de amor
Dormiu depois de sonhar
E a tarde a noite apagou
Seus olhos morrem depois
E vão sozinhos os dois
Trilhando em calma
Voltando alegres pra mim
Ah! Quem me dera
Saber de sonhos
Se são tristonhos
Caminho sós e seus
Voltasse a noite pra mim
Cantasse tudo de mim
Dissesse apenas te amou
Depois dormiu
+Alice - (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
Digam
Por onde anda alice
Berlim, Paris ou Nice
Será que foi pro céu?
Será? Casou?
É operária ou miss?
Ou Rainha de Copas
De um Palace Hotel?
Crendice do povo,
Alice sou eu
Quem disse
Que Alice morreu?
Saibam
Foi vista nas Antilhas
Na solidão das Ilhas
Conversando com Deus
Só bem depois
Surgiu lá em Brasília,
País das Maravilhas,
Mas desapareceu
Crendice do povo
Alice morreu
Quem disse
Que alice sou eu?
+Alquimista - (Roberto Menescal, Costa Neto e Paulo Coelho)
Me transformei, enfim me tornei
Pastor de mim, meu Agnus Dei
Pra isso eu me pisei, flagelei
As tábuas da lei quebrei, eu quebrei
Eu mendiguei por dentro de mim
Na geografia gêmea de Deus
Na treva interminável dos seus banquetes
E botequins que são meus
Hoje eu sei das lendas da minh’alma
Hoje eu sei me transformar com calma
Pois eu trabei combate com Deus
Caí no front do Reino dos Céus
Me aprisionei nas celas do amor
E me transformei assim no que sou
+Amanhecendo - (Roberto Menescal e Lula Freire)
Nas águas desse rio indo para o mar
Iremos navegando sempre sem parar
E vendo tantas nuvens brancas no azul
Esquece a madrugada triste que passou
O dia está nascendo, vem olhar o sol
As aves vêm voando pelo nosso amor
Repare a poesia, é tanta alegria
Não chora nunca mais
Vem, vamos amar em paz que o dia traz
Mil cores diferentes nesse amanhecer
Encantos que são vistos só por quem amou
Iremos navegando sempre sem parar
O dia está nascendo, vem olhar o sol
As aves vêm voando pelo nosso amor
Repare a poesia
É tanta alegria
Não chora nunca mais
Vem, vamos amar em paz
Vem, vamos amar em paz
+Assim na terra como no céu - (Menescal, N. Buzar e P. Tapajós)
Num dia igual
A qualquer um
Eu despertei de dentro em mim
Se fez manhã
No meu viver
Se fez igual
A terra e o céu
Amanheceu onde eu segui
Me despedi
Dos rumos onde eu andei
E eu quis ser mais
Bem mais que eu sou
Janela aberta
Os meus sonhos libertei
+Amiga - (Roberto Menescal e Paulinho Tapajós)
Meu abraço
É um porto vazio
Na esperança
De um dia você ancorar
Deixo a porta dos sonhos aberta
Na esperança
De um dia você entrar
Amiga me conta
Me mostra o seu lugar
Sou rio correndo
Em busca do seu mar
Tenho os olhos de lua cansada
Padecendo a saudade maior de esperar
Seu aceno sereno na estrada
Fez-se triste riacho de dor chorar
Amiga me conta
Me mostra onde chegar
Me abraça me abriga
Me guarda em seu olhar
+A morte de um deus de sal - (Roberto Menescal – Ronaldo Bôscoli)
Fim, morreu João, João do mar
Deus quem quis levar quem levou pro fim
Um deus do mar, que outro Deus matou
Que pescar, pescou, mas que não voltou…
Amanheceu e o azul do mar trouxe então
Um deus de sal com um peixe na mão
Ela entendeu, olhou João e abraçou
E nos seus olhos o sol mais brilhou
Dizem que um peixe de prata
Brigou demais pra não morrer, e então,
João lutou, barco virou, mar levou,
Mar pra João era irmão, era o céu, era o pão
Fim, morreu João, João do mar
Deus quem quis levar quem levou pro fim
>Um deus do mar, que outro Deus matou
Que pescar, pescou, mas que não voltou
+Apenas bons amigos - (Roberto Menescal e Abel Silva)
Somos apenas amigos
E é verdade o que eu digo
Mas eu já nem contradigo
Quem não crê
Quem duvidar eu não ligo
Pode ser mesmo um perigo
Mesma estação mesmo abrigo
Vou mentir pra que?
Feito letra e canção
Mesmo diapasão
Unha e carne pois é
No Japão, na Guiné
Onde um vai, outro está
Se um gosta, outro quer
Tal café com pão
Quem nos olha já diz
Como a bossa é feliz
No balanço a canção
Brota do coração
Harmonia em paz
A promessa que traz
E o destino quis
Mas é só pura amizade
Somos da mesma cidade
Da mesma praia a saudade
Que a gente tem…
+Atlântica comovida - (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
Olha como é bonita a vida
Livre, pulsando nesse meu rincão
Olha, a esperança vive,
Virgem, na mata, entre o mel e o chão
Dizem que a terra se engravida de Deus
Gera, na primavera, os animais
Entre sacis e curupiras,
As saíras, os micos e os pardais
Ah, Olha que a mata está ferida
Sangra a hemorragia d’ambição
Choram os sabiás e os tucanos
Gelo futuro dos planos,
Da vida e da floração
Calma, Atlântica comovida
Jesus já está de partida
E encarna num mico-leãoo
+Ave Maria - (Roberto Menescal e Paulinho Tapajós)
Maria que rosou o meu rosário de risos
Maria amante amada de lua clareada
Eu rogo o teu amor
Seja agora ou quando for
Ave Maria
Maria eu te queria como todo o homem quer
A alma quer a santa e o corpo a mulher
Eu quero a tua paz mas eu te quero bem mais
Ave Maria
Solta entre os dias
Entre os bosques entre as ruas
Entre as sombras entre as luas
Entre minhas mãos vazias
Que se apertam se juntando
Se unindo pra rezar
Ave Maria
+A velha casa - (Roberto Menescal e Paulinho Tapajós)
Um dia eu cismo
E vou voltar
À velha casa onde eu nasci
Rever amigos
E encontrar você
Meu velho jogo de botão
Minhas revistas
Meus gibis
E as brincadeiras
Que eu sempre fiz
Subir pela mangueira
Roubar na geladeira
Ouvir histórias
De meus pais
Dormir às oito horas
Depois de ter jantado
Eu juro
Que um dia eu cismo
E vou voltar Pra lá
+A volta - (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Quero ouvir a sua voz
E quero que a canção seja você
E quero, em cada vez que espero,
Desesperar se não te ver
É triste a solidão
É longe o não te achar
Que lindo é o seu perdão
Que festa é o seu voltar
Mas quero que você me fale
Que você me cale
Caso eu perguntar
Se o que te fez tão linda ainda
Foi sua pressa de voltar
Levanta e vem correndo
Me abraça e sem sofrer
Me beija longamente
O quanto a solidão<br>Precisa pra morrer
+Bênção, bossa nova - (Menescal, Carlos Lyra e P. César Pinheiro)
Bênção, bossa nova, Que ninguém há de esquecer
Nos seus quarenta anos, Fiz um samba pra você
Foi tanto mestre que eu ouvi, Villa, Ravel e Debussy
Bach, Chopen e muito mais, Gershwin, Sinatra, Cole Porter
E as harmonias que abriram as portas, Do coração do jazz
Trio Los Panchos,Caballero, Lucho Gatica, Augustin Lara
Samba-canção é a cara do bolero, E é por toda essa influência
Que o Rio de Janeiro faz a bossa, E canta pro mundo inteiro
Bênção, bossa nova
Que ninguém há de esquecer
Nos seus quarenta anos
Fiz um samba pra você
Foi tanto mestre que eu ouvi, Desde Noel, Caymmi e Ary
Até Garoto e Pixinguinha, Ah, que saudade a gente sente
De Elizeth, Lúcio, Dick, E de Dolores, Sylvinha
Tanta lembrança de Ronaldo, Nara, Maysa e Aloysio
Newton Mendonça, Elis e Luiz Eça, Lembro Vinicius pelo verso
E Tom Jobim pela canção, E canto e peço de coração:
Bênção, bossa nova
Que ninguém há de esquecer
Nos seus quarenta anos
Fiz um samba pra você
+Bossa entre amigos - (Roberto Menescal e Marcos Valle)
Ao final:
Estamos entre amigos, o que é muito bom
Fica mais gostoso de fazer esse som
Mas agora, é pena, falta pouco
O show já vai terminar
Que pena falta pouco
E como gostamos de cantar pra vocês
Vamos já pensando numa próxima vez
Pois a nossa bossa entre amigos ninguém vai separar
+Brida - (Menescal, Costa Netto e Paulo Coelho)
Brida, ás vezes não é fácil ver justiça
Nas presas desse animal selvagem
Cortante a juventude de um sorriso
Brida, Brida, Brida
devora no silêncio confidências
Enquanto vão secando as nossas taças
Faz transbordar de brilho o nosso olhar
Brida, Brida, Brida
talvez até choremos de alegria
Rio, a luz de um sentimento nos transpassa
Escassas vidas, na noite redescobrem a mágoa
São bênçãos de Deus que vão entrando
Estilhaçando todas as vidraças
Brida, Brida
+Bye bye Brasil - (Roberto Menescal e Chico Buarque)
Oi, coração, Não dá pra falar muito não
Espera passar o avião, Assim que o inverno passar
Eu acho que vou te buscar, Aqui tá fazendo calor
Deu pane no ventilador, Já tem fliperama em Macau
Tomei a costeira em Belém do Pará, Puseram uma usina no mar
Talvez fique ruim pra pescar, Meu amor
No Tocantins, O chefe dos parintintins
Vidrou na minha calça Lee, Eu vi uns patins pra você
Eu vi um Brasil na tevê, Capaz de cair um toró
Estou me sentindo tão só, Oh, tenha dó de mim
Pintou uma chance legal, Um lance lá na capital
Nem tem que ter ginasial, Meu amor
No Tabariz, O som é que nem os Bee Gees
Dancei com uma dona infeliz, Que tem um tufão nos quadris
Tem um japonês trás de mim, Eu vou dar um pulo em Manaus
Aqui tá quarenta e dois graus, O sol nunca mais vai se pôr
Eu tenho saudades da nossa canção, Saudades de roça e sertão
Bom mesmo é ter um caminhão, Meu amor
Baby, bye bye, Abraços na mãe e no pai
Eu acho que vou desligar, As fichas já vão terminar
Eu vou me mandar de trenó, Pra Rua do Sol, Maceió
Peguei uma doença em Ilhéus, Mas já tô quase bom
Em março vou pro Ceará, Com a benção do meu orixá
Eu acho bauxita por lá, Meu amor
Bye bye, Brasil, A última ficha caiu
Eu penso em vocês night and day, Explica que tá tudo okay
Eu só ando dentro da lei, Eu quero voltar, podes crer
Eu vi um Brasil na tevê, Peguei uma doença em Belém
Agora já tá tudo bem, Mas a ligação tá no fim
Tem um japonês trás de mim, Aquela aquarela mudou
Na estrada peguei uma cor, Capaz de cair um toró
Estou me sentindo um jiló, Eu tenho tesão é no mar
Assim que o inverno passar, Bateu uma saudade de ti
Tô a fim de encarar um siri, Com a benção de Nosso Senhor
O sol nunca mais vai se pôr
+Copacabana de sempre - (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Copacabana, praia dourada
Marcada a sol em mim
Sei do seu corpo de areia
Sei das amargas sereias
Asas atadas aos pés
Ondas dos meus jacarés
Copacabana, berço da bossa
Coisas tão nossas im
Ficou tão lindo o seu rosto
Posto que bem mais mulher
Venha comigo pra ver
Tudo que eu quero dizer
Inda que seja breve
Ou que leve a vida e mais
Vamos por esses becos
Esquinas, bares que eu sei demais
Toda Copacabana que mora em frente
Ao mar azul de anil
Nada é mais carioca que a nossa copa
Que o seu perfil
Copacabana, de mar inteiro
Do mar primeiro bem
Eu me confesso pequeno
>Face a seu corpo moreno
Face ao Atlântico Sul, Copacabana
+Dançar com você - (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
São onze da noite
Me afogo num copo de Daikiri
Procuro teu rosto entre o gelo
O rum e o abacaxi
No vidro do copo
Procuros teus olhos de Bacardi
Ficaram na festa
De onde, triste, eu tive que fugir
Quando telefonei pra te ver
O teu sim pareceu tão sincero
Só queria dançar com você
Esse bolero
No salão da dança
Nos braços de outro zombou de mim
Matou-me a esperança
Se vingou ao som de Tom Jobim
Sei que errei com você no passado
Te deixei me esperando ao luar
Foi por timidez
Por medo de amar, bailar e sofrer
E hoje que sei dançar no amor
Dancei com você
+Ditos e feitos - (Roberto Menescal e Nélson Motta)
Faz tanto tempo, mas
Faz tanto bem lembrar
Que já não somos mais quem fomos uma vez
Nós somos outros
Somos somas de outros nós
Nós somos poucos entre tantos tão
iguais
Somos sonoros
Somos sonhos e emoções
Somos desejo
Somos medo de não ser
Somos de paz e não queremos nada além
Desse momento eternamente vivo em nós
Fomos felizes
Somos nada além de um gesto vão
Nesta manhã de sol a vida nasce em nós
Indiferente à nossa guerra e à nossa paz
Indiferente à nossa fome de amar
e de viver
Indiferente ao que se disse e ao que se fez
+E nada mais na tarde - (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
E nada mais na tarde
E pra dizer-te, é tarde
Quis dizer-te num momento
Que quem ama também mente
E nada mais na tarde
E agora tudo é tarde
De que vale ser, se não há perdão
Se tudo morre em vão
Amiga, diga nesse instante
O que faz sofrer
Não quero saber-te mais triste
Se de mim depende, dá-me a tua mão
Amiga, caso houvesse tempo
Caso não fosse em vão
Eu diria tudo agora,
Que dói tanto ir embora
Dói mais que te pedir perdão
+Errinho à toa - (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Pensa, não faça, me abraça
Que tudo vai passar
Amor, não custa nada amar
É só deixar, querer, é se entregar
Aconteceu sim, mas me perdoa
Eu tropecei, errinho à toa
E para nos seus braços morrer de abraços
Erro de novo
Pra ter certeza de que és meu
+Estrada Nova Delhi-Rio - (Roberto Menescal e Costa Netto)
Seda bordada azul
Um gesto suave, o olhar febril
Deslumbrante o pôr-do-sol
Sutil transparência de um corpo esguio
Indiano amor, morena cor
Natureza em desvario
Dos cabelos negros molhados no rio
Estrada nova Delhi-Rio
Além do delírio, new Delhi-Rio
O sabor de um beijo vadio
A pele ardente a cabeça a mil
O desejo nu, a dança hindu
E a viagem não tem mais fim
Com seu corpo moreno diante de mim
Se a nossa estrada for Delhi-Rio (um delírio)
Se a nossa estória for Delhi-Rio (um delírio)
Seda dourada do entardecer vira lençol
Se o nosso sonho for Delhi-Rio (um delírio)
Nosso desejo for Delhi-Rio (um delírio)
Deixe a magia nos orientar o coração
+Eu e a música - (Roberto Menescal e Aldir Blanc)
All the way be free, you should care for me
Dreaming day by day, eu acho essa papo todo okay
Por que tenho mil canções na alma
Canto em cabaret, muito tenderly, only you and me
Lições que eu aprendi com a Sapoti
Meu som viaja numa boa de Las Vegas até Piraí
Não esqueci que na platéia quando
chove
Não pinta nem The man I Love
E então num tempo triste o coração
Ameaça desistir e eu digo: Cara, I know
É tudo uma questão de calma, Body and Soul
Fica firme aí e Never Let Me Go
Essas coisas são parte do show
All the way be free, you should care for me…
Não esqueci que se a platéia está demais
The Man I Love Round Midnight
Do bar tem olhos só pra mim
Eu sou a maior, eu sou Sara “Von”
Eu não tenho fim
E o refletor parece o sol
Iluminando a estrela Unforgetable
It is wonderful ser Lady Singing The Blues
Ah! Eu quero morrer no calor dessa luz
Eu me sinto feliz
De poder transmitir
O abraço do Menescal e do Aldir
+Eu e a música - (Roberto Menescal e Aldir Blanc)
All the way be free, you should care for me
Dreaming day by day, eu acho essa papo todo okay
Por que tenho mil canções na alma
Canto em cabaret, muito tenderly, only you and me
Lições que eu aprendi com a Sapoti
Meu som viaja numa boa de Las Vegas até Piraí
Não esqueci que na platéia quando
chove
Não pinta nem The man I Love
E então num tempo triste o coração
Ameaça desistir e eu digo: Cara, I know
É tudo uma questão de calma, Body and Soul
Fica firme aí e Never Let Me Go
Essas coisas são parte do show
All the way be free, you should care for me…
Não esqueci que se a platéia está demais
The Man I Love Round Midnight
Do bar tem olhos só pra mim
Eu sou a maior, eu sou Sara “Von”
Eu não tenho fim
E o refletor parece o sol
Iluminando a estrela Unforgetable
It is wonderful ser Lady Singing The Blues
Ah! Eu quero morrer no calor dessa luz
Eu me sinto feliz
De poder transmitir
O abraço do Menescal e do Aldir
+Fuji Samba - (Roberto Menescal)
Call my name whenever you need me
Call my name, you don’t have to cry
I will show you that my love is true
And tell you how much I love you
You’ll never have to wonder
Just wipe the tears from your love
Call my name, I will be here for you
Call my name, I’ll be right by your side
Whenever it’s a cold rainy day
Ahd you have lost your hope and your dreams
Call my name
I’ll give you all my love
Just close your eyes
Remember I’m always close to your
Thour you walk in the dark
Your can feel my deep love
Just close your eyes
Believe in your love and my love
Your heart and mine are one
Love won’t fade away
Call my name, wherever your go
Call my name, I’ll come running to your
I will show you that my love is true
And tell you how much I love your
Call my name, I’ll give you all my love
Call my name, I’ll love you forever
+Gritem casais - (Roberto Menescal e Oswaldo Montenegro)
Gritem casais
Que os gemidos sejam loucos sinais
Pra que os barcos ancorados no cais
Possam retornar aos mares sem dor
Gritem mais
Gritem pra acordar a burguesia que jazz
E que a polícia prenda os outros casais
Que aderirem ao seu coro
Gritem casais
Pra assustar os tenebrosos normais
Que confundem o seu tédio com paz
Gritem pra evitar a guerra
Gritem mais
Pra soltar o grito dos animais
E esta ópera demente e voraz
Ainda vai salvar a Terra
Gritem mais
Pra soltar o grito dos animais
E esta ópera demente e voraz
Ainda vai salvar a Terra

+Japa - (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
Peixe frito com cachaça
E um bom tutu de feijão
Os japas gão gostando
Sashimi, saquê, arroz
E dois pauzinhos na mão
E a gente também
Taka e Sakuma tocam
Cavaquinho e surdão
Os japas tão sambando
A gente s’Yamaha e Honda
O som que vem do Japão
Hai…
Som da felicidade no meu portão
Bairro da Liberdade, micro Japão
É tão bonito um gol do Zico
Na Mitsubishi do Hiroito
Elza Soares é japonesa ou não?
Banzai, vai…
No Japão, Kashima é
A sucursal do Mengão
Os japas tão jogando
Baseball, judô
Brasil é filial do Japão
E a gente também
Lá no Gantois tem japa
Que é Ogã de salão
Os japas tão baixando
A gente s’Yamaha e Honda
O som que vem do Japão
+Jura - (Roberto Menescal e Costa Netto)
Jura que não vai findar
Essa inocência que me conquistou
Uma chama de esperança pra sempre acesa
Jura que vai preservar
A natureza do seu coração
Jura e não apague nunca esse olhar de estrelas
A cidade anoiteceu
A viola se calou
Tanta gente pelas ruas
Vive sem destino
Quando você se mudou foi pensando em melhorar
Nem sequer olhou pra trás
Tomou seu caminho
Hoje seu olhar de estrelas vai pratear
Se você jurar
Hoje tão longe de lá
Procura um raio de luar
Que mesmo por detrás
Dos prédios quer brilhar
Feche os olhos devagar
Mergulhe outra vez no rio
Que a lua cheia a cachoeira
Vai pratear se você jurar
Jura que vai preservar
A natureza do teu coração
Jura e não apague nunca
Esse olhar de estrelas
+Longa Metragem - (Roberto Menescal e Costa Netto)
Luzes! Primeira cena
Sol, Ipanema, cenário de mar
Eu à vontade fazendo pose
Chamando um close, rimando em “ar”
No seu rastro eu vivo super
Apresso o cooper pra me mostrar
Mas você nem prestou atenção
E eu quase me espatifo no chão…
Corta! Muda a cidade
É cinza a tarde, a luz néon
O seu corpo quase miragem
Só de passagem no Trianon
Num café do baixo Bexiga
Você me intriga, me estende a mão…
Mas… Claquete! Não foi dessa vez…
Claquete!Começa outra vez!
Takes, trucagens, manobras
É o fim da tomada cento e oitenta e dois
Na seqüência quem sabe se sobra
Um breve momento só pra nós dois…
Viravolta! Você me nota
Chuva desbota meu tom de azul
Quem diria! Eu qualquer nota
Mais zona norte que zona sul
Nos seus olhos brilha o convite
O novo script dizia sim
E o seu zoom focaliza em mim…
Ação! Enfim! No seu coração
Afinal! Sintoniza a minha estação
Coração! Sintoniza a minha estação!
+Magia - (Roberto Menescal e Costa Netto)
No veloz cotidiano
Um momento escapuliu
Uma pausa no trabalho
Por que tanta ansiedade
Ritmos quebrados de um bem
Íntimo que a alma contém
No repouso do operário
No silêncio do escritor
Alça vôo o imaginário
Em que campos aterrissa?
Quem dormiu demais de manhã
Por ter despertado uma fantasia?
Se você se agasalha
E de repente o tempo vira
Quem que foi subverter o dia?
Se um sorriso de criança
Faz você se inclinar
Destoar da estranha dança
Da apatia da rotina
Ritmos são pra interromper
Toda vida pode conter magia
+Manequim - (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
Trouxe um manequim
E o deitei na cama em teu lugar
Depois o vesti com teu roupão
E com teu peignoir
Trouxe um Bacardi
E embriaguei teu corpo de jacarandá
Juro que ouvi quando o manequim
Pediu um Beverli para fumar E te possui
E na madeira eu quis te engravidar
Quase enlouqueci
Depois do amor, nós dois fomos dançar
E o manequim
Tinha o teu jeito leve e solto de bailar
Juro que ouvi
Ele me pedir um esparadrapo para o calcanhar
E na vitrola eu pus Elis
Pra lhe agradar
Volta, Meu amor, retoma o teu lugar
Volta, Meu amor,
Volta, Tô no ponto de me alucinar
Volta, Por favor,
Volta, Nem que seja pra me internar
Volta, O meu caso é mesmo de alucinação
Pois o manequim já sai
E me recebe no portão
Já morre de ciúmes
E jura paixão
+Mar amar - (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Se não vem, deixa alguém vir comigo
Se não vem, não faz mal, mas eu vou
Sol nascendo lá no mar
Bem pertinho de chegar
E a vontade de voltar ao meu verão
Se não vem, deixa alguém vir comigo
Se não vem, não faz mal, mas eu vou
Mas você longe assim vai se lembrar
Do mar que nos lembrou amar
Bem me faz se o sol já brilha lá no fim da nossa ilha
Lá só tem meu amor
Que bom que eu tenho onde sonhar
Pra voltar feliz, eu vou pra lá
Se não vem, deixa alguém vir comigo
Se não vem, não faz mal, mas eu vou
Mas você longe assim vai se lembrar
Do mar que nos lembrou amar
+Mil Rios - (Roberto Menescal e Costa Netto)
Sei que algumas canções
Conseguem envolver
Mas são tão poucas que nos violões
Vão se eternizar
Qual a paixão que transbordou
Suas amarras foi soltar
Cruza oceanos um barquinho além-mar
Concordo que algumas canções
Nos fazem aplaudir
Mas são tão poucas que vão sussurrar
E o mundo inteiro ouvir
O azul que cedo entardeceu
Você prendeu no seu olhar
E nas canções deixou o Rio escapar…
Nunca ninguém conseguiu
O amor aprisionar
Talvez seja essa a razão de cantar
O Rio dos versos seus
Desata os nós e o mar
E mil novos Rios vão viver
Pra contar
+Nara - (Roberto Menescal e Joyce)
Paira
A lua tonta sobre o mar do Leme
E estende gentilmente as asas pálidas
Anunciando que já está na hora
Chora
Copacabana em luzes imprecisas
Delicadezas piscam feito lágrimas
Brilhando mansamente a luz da aurora
Na paisagem de Nara
Há músicas de todos os matizes
Nas cores de Nara
O Rio amanhecendo em mil canções
Nas manhãs de Nara
Recordações de tempos tão delizes
Os sonhos
Que alimentaram nossas gerações
Oh! Nara
Mil sambas, mil poetas te bendizem
E ecoam de Ipanema às margens plácidas
Iluminando o céu da Guanabara
+Nas quebradas da vida - (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
Gosto de Chico, Noel Menescal
Nara e Tom Jobim
Samba, Mangueira, Marçal
E você acha tudo o fim
Gosto de terra, jasmim
Rosa e monsenhor
Você detesta jardim
Gosto de praia, de sol, de calor
Gosto do verão
Você de nuvem sobre o Redentor
Chuva e trovão
Gosto de Chaplin, romance e paixão
Você de filmes como “O Tubarão”
Somos sempre assim
Tão opostos no amor
Gosto de baile, eu adoro dançar
Dança de salão
Peço a você, mas você, qual o quê, só televisão
Gosto deser social e de um bom licor
Mas você tem por nós, alcoólicos, pavor
Amo varanda, criança e quintal
Cheiro de bebê
Chega domingo você lê jornal
Sem Caderno B
Eu nunca vi tanta contradição
É fogo e água, é breu e clarão
São coisas do amor
São quebradas da vida
Só que de noite durante a paixão
Somos perfeitos, sem oposição
Basta isso, amor
Pra eu te amar comovida
+Ninguém - (Roberto Menescal e Wanda Sá)
Ninguém chegou tão perto assim
E mais ninguém tocou meu coração assim
Do meito que você tocou
Jamais ninguém me seduziu, me conquistou
Me descobriu e desarmou
O que eu fiz pra proteger meu coração
Então, me diz
Se foi tão bom pra mim e pra você
Então, me diz
Porque ninguém me avisou que poderia ser um caso e nada mais
Que ilusão
Como explicar pro meu coração
Que você foi alguém que quis brincar
E então
Você e eu nunca mais
Nunca mais ninguém
Tão perto assim
+No final da brincadeira - (Roberto Menescal e Oswaldo Montenegro)
Deixa eu tentar
Mesmo que não seja o mesmo lugar
Mesmo que não seja a mesma canção
Deixa eu fingir que é possível tentar
Faz isso não
Não me conta que o destino escapuliu
Que não há como ir buscar o que partiu
Deixa o tempo andar pra trás
Tenta deixar
Que não seja como sempre será
Tudo igual ali no mesmo lugar
Vento morno ranço e desespero
Deixa estar
Não demora a gente volta a brincar
Como se o começo fosse voltar
No final da brincadeira
+Nós e o mar - (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Lá se vai mais um dia assim
E a vontade que não tem mais fim
Esse sol
E viver, ver chegar ao fim
Essa onda que cresceu morreu
A seus pés
E olhar
Pro céu que é tão bonito
E olhar
Pra esse olhar perdido nesse mar azul
Outra onda nasceu
Calma desceu sorrindo
Lá vem vindo
Lá se vai mais um dia assim
Nossa praia que não tem mais fim
Acabou
Vai subindo uma lua assim
E a camélia que flutua nua no céu
+Novas bossas - (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
Amigo, me diz que perfume
Estranho é esse que rola no ar
Fragrância de samba, de bossa, de poetizar
É o cheiro da alma do povo
Que libera a emoção popular
Amigo, tô com você, tem bossa no ar
Estranho é que eu ando
Contente nesses tempos de tanto chorar
Quem sabe essa alma da gente possa transportar
A alma do tempo presente
Desses tempos de tanto chorar
Pro tempo de se esperançar
Com o povo da gente a cantar
Dolores, Agostinho, Luiz Eça, Elis
Meu Deus, quem viu?
Talvez já estejam aqui reunidos num bar
Compondo em novos copos novas bossas pro Brasil
Viniciusde moral,
Plural Moraes singular
Amigo, me diz que perfume…
E aí se João Gilberto topasse cantar
O Tom, talvez, quem sabe, retornasse um sabiá
Ou, alegre, assim, um filho da Wanda Sá
+O barquinho - (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Dia de luz festa de sol
E um barquinho a deslizar
No macio azul do mar
Tudo é verão e o amor se faz
Num barquinho pelo mar
Que desliza sem parar…
Sem intenção,nossa canção
Vai saindo desse mar
E o sol
Beija o barco e luz
Dias tão azuis!
Volta do mar desmaia o sol
E o barquinho a deslizar
E a vontade de cantar!
Céu tão azul ilhas do sul
E o barquinho,coração
Deslizando na canção
Tudo isso é paz tudo isso traz
Uma calma de verão e então
O barquinho vai
A tardinha cai
O barquinho vai
A tardinha cai…
+O Brasil precisa balançar - (Menescal e Paulo César Pinheiro)
Se você tem dom
Pro ritmo que o samba tem
Vem logo pra esse samba, vem
Brasil precisa balançar
Entre nesse tom
Só danço o samba assim com alguém
No samba que balança bem
Na bossa que o balanço dá
Esse é que é o som
O som do coração também
Basta acompanhar
Melhor que o coração não há
Pr’um bom samba
Que samba bom<br>Porque ninguém vê
Me diga então
Você que samba bem
Se o samba é bom
Porque que ninguém quer sambar
+O triste - (Roberto Menescal e Paulinho Tapajós)
Ele era um triste
Nunca vi ninguém como ele assim
Tinha um rosto quase branco
Um olhar de santo
E um banco de jardim
Que era sua moradia
Onde amanhecia
E onde ele se guardava
Pra poder chorar
Vendo todo aquele povo
Sem nada de novo
Pra mudar seu rosto
Pra se contentar
Ela era triste
Nunca vi ninguém como ela assim
Ela nem sequer sabia
Como é que seria
A cor de um banco de jardim
Sua face era sombria
Mas um belo dia
Ela assim passava
Querendo chorar
E ela em meio àquele povo
Viu algo de novo
Viu um outro rosto
Sem se contentar
E se juntou tristeza com tristeza
Numa só certeza de querer chorar
Mas pra grande surpresa
Só surgiram risos
Pra se contentar
+Ponto de Luz - (Roberto Menescal e Costa Netto)
Se a dor
Já embaça a sua vista
Toque firme, não desista
Do seu violão
Inspiração
Sempre foi sua missão
O seu prazer, a confissão
Se o amor
Já disfarça suas pistas
Não faz mal, sempre acredite
No seu coração
Intuição
Vai traçar a direção
Vai entoar sua canção!
Poetas vão chegar pra traduzir
Cantores vão surgir pra interpretar
Amigos mesmo tão distantes
Vão ouvir de qualquer lugar,
Mas mesmo sem ninguém vale a emoção
De um só sorriso entre a multidão
Se um ponto de luz sai do seu canto
Pra num desencanto um sonho reluzir!
+Premonição - (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
Quando o trem de ferro
Carregou meu pai
E o tuiuiu cantou no matão
O lamento triste
Da dor da intuição
Um caboclo tem premonição
Lembra do gemido da madeira do cais
Meu irmão com olhos de rã
Minha mãe chorando, inundando o Paraguai
Com a barriga cheia de irmã
Em pé no vagão, contra a luz do sol das seis
Pequenino ficava o pai
Na composição, misturou-se ao manganês
Foi para não retornar jamais
Era fevereiro, eu trabalhava o chão
Quando vi mamãe desmaiar
O meu pai ficara na ponta de um jacão,
Indigente em Corumbá
Hoje quando ouço
O trem passar às seis
E o tuiuiu cantar no trigal
Canto o choro triste
De dor e compaixão
Dos caboclos do Pantanal
+Revolução - (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
Rio, trinta e um de março
Meu amor, a dor vai me consumir
Devo admitir
Longe dos guris, longe de você
É imenso o apartamento
E o dilêncio, amor, é ensurdecedor
Tenta perdoar a desatenção
Se não perdoar
Meu amor, sei não, te amo
Quatro de abril, a dor consumiu
Também minh’alma de mulher
Acho até que posso dizer
Morrer é viver a vida que eu vivi
Morrendo por você
Quando eu te vi com a outra nos sinais
Eu me perdi e me vinguei demais
Nossos guris deixei com os animais
Te possui no corpo dos navais
Quando voltei, eu me nivelei
Àquela dama dos sinais
Fui a ré perante os guris e me condenei
Mas não te perdoei
O amor não tem sursis
Hoje eu reli tua carta com paixão
Depois eu ri, que data prum perdão
Mas nosso amor é uma revolução
Eu e você
Amor, também não sei, te amo
Te amo
+Rio - (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli)
Rio que mora no mar
Sorrio pro meu Rio
Que tem no seu mar
Lindas flores que nascem morenas
Em jardins de sol
Rio, serras de veludo
Sorrio pro meu Rio
Que sorri de tudo
Que é dourado quase todo dia
E alegre como a luz
Rio é mar, eterno se fazer amar
O meu Rio é lua
Amiga branca e nua
É sol, é sal, é sul
São mãos se descobrindo em todo azul
Por isso é que meu Rio da mulher beleza
Acaba num instante com qualquer tristeza
Meu Rio que não dorme porque não se cansa
Meu Rio que balança
Sou Rio, sorrio
Sou Rio, sorrio
Sou Rio, sorrio
Sou Rio, sorrio
Sou Rio, sorrio.
+Rio que vai, Rio que vem - (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
Dizem que Deus cansou de amém
Do trabalho do além
Você não tem stress, meu bem?
Deus também
Vem pegar sol, vai pro Leblon
Joga até frescobol
Gosta de som de futebol
Do Mengão
Samba no pé na Beija-Flor
Falam que é bom compositor
No céu até dizem que é
Bom cantor
Rio que vai, Rio que vem
Afluente do além
Casa do pai
Deus já não vai quando vem
Fez de água e sal, tão natural
Esse local que abençoou
Pra desfrutar
Do que ele mesmo criou
Pra descansar seu filho
Seu Redentor
+Samba de arromba - (Roberto Menescal e Paulo César Feital)
Tem tanto feijão
Que dá pra inundar a Mangueira
Picanha e leitão
Cachaça, limão, bagaceira
Só tem nego bão
De samba cruzando a porteira
D’Agremiação
Do som da nação brasileira
Chegou Jamelão,
Paulinho, Martinho e Nogueira
Dá um breque, negão
No teu violão-cartucheira
Saca a divisão
Bezerra, Dicró e Moreira
ivone é o chão
E a voz da razão brasileira
Tem samba-canção,
Samba de salão,
Malandro de gafieira
Tem choro e chorão
Do tio Abel Ferreira
De quadra e surdão
De Caxambu, berimbau,
De Carnaval,
samba de amor,
De fel e flor
Partido-alto da vida,
Morte e dor,
Exaltação
De um povo bom
Que sangra só na Avenida
Duas da manhã
Nei Lopes já cheio de vinho
Mandou um partido
Pra Beth, Alcione e Neguinho
E Élton Medeiros
Que samba com amor e carinho
É meio Zeca Pagodinho
O samba assombrou
E veio do céu Claridade,
Candeia e Sinhô
E a festa tomou a cidade
Cartola baixou
Pra Zica matar a saudade
E o céu desabou
Na Terra de felicidade
+Saudades de você - (Roberto Menescal e Nara Leão)
Meu amor eu nem quero pensar
Se um dia voltar
Esse tempo feliz de prazer
Que passei junto a ti
Saudades de você
Será que você quer
Curtir um grande amor
Numa viagem de voltar, seja onde for
A gente vai tentar ser feliz enfim
Se lembre por favor
De um tempo que passou
Como eu te amei demais
Não deixe nada pra depois
Venha pra mim como a primeira vez
Como num sonho de amor
Eu canto, eu danço
E fico tão feliz
De ter você bem juntinho a mim
O mar, o céu
A terra, é tudo azul
Vou te contar
Que lindo é o nosso amor
+Se eu morresse - (Roberto Menescal e Nara Leão)
Se eu morresse
Só iam ficar
Versos cansados
Um livro, sei lá
Velhas palavras
Pouco o que contar
Se eu morresse
Nada ia mudar
Talvez notícia nos jornais
Iguais a todas
Nada mais
Viria o outono outra vez
E tudo como sempre foi
Se eu morresse
Não ia mudar
A primavera
E o sol do lugar
Talvez rezassem em latim
Dissessem coisas sobre mim
Mas voltaria a chover
E tudo como sempre foi
Se eu morresse
Nada ia mudar
+Se eu pudesse dizer que te amei - (R. Menescal e Paulo C. Feital)
Quando a porta do tempo se abriu
Era tarde, amor
O outono da vida caiu
Eu me lembro que você surgiu
Numa noite fagueira de abril
Uma estrela que o céu do Brasil
Me enviou
Desde então, meu jardim se floriu
De constelação
Primavera eram flores no céu
E um céu no chão
Uma noite seu ventre emitiu
Uma luz pequenina, infantil
E uma estrela cadente surgiu
Desse amor
Mas eu era um simples mortal
E assim como tal, eu errei
Tanta luz me ofuscava e afinal
Te abandonei
Eu tentei suportar tanto amor
Deus sabe que tentei
Como o breu não suporta o fulgor
Também não suportei… Não
Quando a porta do tempo se abriu
Era tarde, amor
O outono da vida caiu
Solitário é o céu do Brasil
São tão tristes as noites de abril
Minha estrela cadente sumiu
Já não brilha no céu do país
Se eu pudesse dizer que te amei
Morreria feliz
+Se pelo menos você fosse minha - (R. Menescal e P. Tapajós)
Se pelo menos você fosse minha
Do jeito que a mulher nasceu pra ser
Em vez do seu retrato na parede
Botava rede nova no jardim
Se pelo menos você fosse minha
Do jeito que a mulher nasceu pra ser
Seu pé calçando o pé do meu chinelo
Tão velho e amarelo de esperar
Quem sabe você juntasse
Seus amigos com os meus
Seus vestidos com meus ternos
Nossos sonhos mais eternos
Se pelo menos você fosse minha
Do jeito que você nasceu pra ser
+Sob o seu cobertor - (Roberto Menescal e Paulinho Tapajós)
No quintal
Entre as flores no chão
Entre pardos pardais
Fecho os olhos só vejo você
Você não vê
No sofá
Frente a televisão
Velho copo na mão
Fecho os olhos só vejo você
Quero mais
Me rasgar me arrastar me render
Me prender me soltar me apagar me romper
Sem temer o que possa magoar
Você vai ver
Vou deitar
Sob o seu cobertor
Descobrir toda a dor
E me cobrir, de amor
+Suave feitiço - (Roberto Menescal e Costa Netto)
Um som na calada da noite
Um andar tão macio
Sinuoso, arredio
Sabor escaldante do Rio
Só me dá calafrio
Me provoca arrepio
Esse meu jeito meio cool
É feito um sax dentro de um blues
Feitiço esperto
Espeta o golpe certo
No boneco de vodu
Um brilho discreto cintila
Sutil, denuncia
O alvo do olhar
Seu toque suave incendeia
Imóvel na teia
Eu fico sem ar
Esse seu jeito meio cool
É feito um sax dentro de um blues
Feitiço esperto
Espeta o golpe certo
No boneco de vodu
Fugir para a rua é a solução
Noite escura é proteção
No breu não dá pra achar vestígio
É meu esconderijo pra essa tentação
Mas sinto a sua pulsação
Pele nua, a intenção
Felina logo me domina
E na primeira esssquina
Caio no alçapão
+Swingueira - (Roberto Menescal e João Carlos Ferraz)
Uma vez você chegou
Me pedindo praá partir sem razão
Eu não sei bem o que deu
Neste seu confuso coração
Outra vez você chegou
Me pedindo prá ficar com você
Meu amor, juro por Deus,
É melhor escolher.
Eu não estou nada a fim
Desse seu vai e vem
Se você ficar assim
Pode se esquecer de mim, meu bem
Esse tal de leva e traz
Não faz mais sentido para nós dois
Se você ficar pra traz
Não venha chorar depois.
Swuingueira, que besteira,
Essa vida não dá para levar
Swingueira, que besteira
Desse jeito melhor é terminar